sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Lá se vão dois anos desde o último álbum de inéditas lançado pelos suecos do Osukaru. Desde então, a banda vinha trabalhando em "The Labyrinth", álbum conceitual centrado na história retratada no filme homônimo de 1986, estrelado por David Bowie. Para esse álbum, a banda contou com uma mudança em seu lineup (o novo baixista), e funcionou perfeitamente, já que a qualidade musical permaneceu intacta. O que mudou drasticamente - e para melhor - foi a produção, que atingiu um nível excelente, fazendo jus as composições do Osukaru

Com um foco bem definido no AOR contemporâneo, o álbum traz uma série de rockers muito bem construídos, como se pode facilmente conferir em "The Stories We Tell", "Voices In The Dark" (um dos destaques do álbum, com uma intermitente de baixo simplesmente matadora) e "Edge Of Night" (outro destaque, com uma levada envolvente).

"It's Only Forever" (outro destaque do álbum) é um mid-pacer pesado, com o baixo em primeiro plano criando uma base pontuada por teclados e guitarras quase onipresentes., ao contrário de "Voodoo (Who Do?)", rocker arrasador que traz a bateria e guitarras para a linha de frente com resultado excelente para essa canção que é facilmente apontada como sendo mais um destaque do álbum.

Ainda há que se mencionar a bacana "The Offering" - com um arranjo mais pesado - e a radio friendly "Moonlight Silhouette", com uma avalanche de teclados e guitarras para o seu prazer auditivo em mais um destaque do álbum, assim como acontece em "It's Only Forever", canção que tem andamento mais lento nos versos e que se transforma em um mid-pacer arrasador no refrão. Combinação explosiva e muito bem executada que faz dessa canção mais um destaque do álbum.

Osukaru, circa 2017: Märtensson, Gadd,
Eugenia, Werner e Osukaru
Em resumo, caríssimas e caríssimos, "The Labyrinth" é a prova definitiva do crescimento e amadurecimento do Osukaru como banda. Não bastasse a produção acima da média, é fato inegável que as canções formam um conjunto coeso e lógico quando reunidas no tracklist

Ainda, me parece que Fredrik Werner começa a render mais como frontman, enquanto a lindinha Lisa Eugenia começa a marcar seu território como vocalista na banda. E não posso deixar de mencionar a versatilidade de Oz Osukaru não apenas como guitarrista, mas principalmente como guitarrista, tendo ele escrito toda a música do álbum sozinho.

Com um conjunto excelente de canções e uma produção matadora, "The ;Labyrinth" desponta, desde já, como um álbum mais que recomendado...

OSUKARU - The Labyrinth
Released on Feb. 2017, via City Of Light Records
Cat. # COL17

Tracklist
01 Maze Of Mind
02 The Stories We Tell
03 Voices In The Dark
04 Edge Of Night
05 It's Only Forever
06 Voodoo (Who Do?)
07 Poisonous
08 Undying Rose
09 The Offering
10 Moonlight Silhouette

Lineup
Oz Osukaru: guitars, keyboards
Fredrik Werner: vocals, guitars
Lisa Eugenia: vocals, keyboards
Olof Gadd: bass
Vidar Märtensson: drums

Nenhum comentário:

Postar um comentário

KEE OF HEARTS LANÇA PRIMEIRO VÍDEO

Arte do álbum de estréia do Kee Of Hearts Um dos projetos mais interessantes do ano - na minha modesta opinião - é o Kee Of Hearts que ...